"Entregue o seu caminho ao Senhor; confie nele, e ele agirá" Salmos 37:5
Postado em 19/08/2014
Hauly: vítima do desgoverno petista, país precisa unir forças para combater recessão

O deputado Luiz Carlos Hauly (PR) defendeu nesta sexta-feira (15) a mobilização dos governos federal, estaduais e municipais, dos partidos, das entidades e dos trabalhadores para evitar que o Brasil mergulhe em recessão. Hoje o Banco Central emitiu mais um sinal preocupante que indica essa ameaça. Considerado a prévia do resultado oficial do Produto Interno Bruto (PIB), o Índice de Atividade Econômica do BC (IBC-Br) registrou queda de 1,2% entre abril e junho, na comparação com o trimestre anterior. Foi a maior retração desde os primeiros meses de 2009 (-2,67%). No primeiro trimestre de 2014, o recuo do IBC-Br atingiu 0,02%.

“Embora seja oposicionista, vejo isso com grande preocupação. Essa condição de pré-recessão significa um alerta vermelho máximo. A recessão é uma tragédia nacional”, lamentou Hauly. “Os países são tomados por um profundo prejuízo na sua economia. Quem perde mais são os trabalhadores, que devem se mobilizar contra esse desgoverno que está levando o país a essa situação”, completou.

O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos pelo país. O resultado no segundo trimestre do ano será divulgado em 29 de agosto pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Nos primeiros três meses do ano, o PIB cresceu somente 0,2% sobre o último trimestre de 2013, impulsionado especialmente pela alta do agronegócio, já que indústria e investimentos apresentaram números negativos.

COPA DA CRISE – Somente em junho, quando houve a Copa do Mundo no Brasil, o nível de atividade econômica, segundo o indicador do Banco Central, registrou recuo de 1,48%. Foi a maior queda mensal desde maio de 2013 (-1,68%).No mesmo período, a produção industrial caiu 1,4% e as vendas do comércio varejista recuaram 0,7%, apontou o IBGE.

Além do número menor de dias úteis no mês, já que foram instituídos vários feriados em decorrência de jogos do Mundial, outros fatores também contribuíram para a expressiva baixa: o aumento dos juros, da inflação, do endividamento das famílias e a desconfiança dos consumidores e do setor produtivo.

De acordo com analistas, o desempenho de junho foi tão negativo que acabou contaminando o resultado do IBC-Br do segundo trimestre do ano.

Na avaliação de Hauly, é evidente o descrédito do governo petista diante do mercado, dos especialistas e dos cidadãos comuns. “O que considero mais grave de tudo isso é a perda de credibilidade. A presidente Dilma, o Guido Mantega [ministro da Fazenda] e sua equipe não têm mais credibilidade perante os agentes econômicos do país”, criticou o tucano.

Para o deputado Pinto Itamaraty (MA), a má gestão petista instalou o caos no Brasil. “O atual governo não consegue equilibrar as finanças, não investe o suficiente e contrata mais do que pode pagar. Enquanto o PT permanecer no poder, a situação vai continuar desse jeito”, avisou.

(Reportagem: Luciana Bezerra, fotografia Alexssandro Loyola) 

NOME:
E-MAIL:
Cadastre seu e-mail para receber novidades.