"Entregue o seu caminho ao Senhor; confie nele, e ele agirá" Salmos 37:5
Postado em 12/09/2005
O profeta e o arauto
LUIZ CARLOS HAULY

O presidente Lula está obstinado em ter Juscelino Kubistchek como modelo pessoal e como chefe de Estado, como demonstram suas inclementes arengas auto-elogiosas que se intensificam à medida em que se agrava a crise do governo lulista-petista.

Oxalá essa obstinação traga alguns ensinamentos que proporcionem a Lula o estabelecimento de uma nova rota de gestão e de comportamento. Porque o que mais precisamos neste momento de turbulência política – momento que necessariamente evoca outro antecessor de Lula, o deposto Fernando Collor de Mello – é de um chefe de Estado com a têmpera de JK, com sua capacidade realizadora, com seu talento de transformar sonho em realidade. Características que Lula, infelizmente para todo o país, está a anos-luz de possuir.

A construção de Brasília, que saiu do nada para ser o que é em apenas três anos e 10 meses, é a síntese do governo JK, que prometia em seus cinco anos de governo realizações correspondentes a 50 anos bem aproveitados. Prometeu e cumpriu. A obra-mor de seu governo só foi possível porque ao mesmo tempo o país experimentou, graças aos esforços de JK, uma verdadeira revolução em sua infra-estrutura por meio de investimentos nas indústrias do aço, automobilística e naval, na pavimentação de estradas e construção de usinas.

Brasília era um projeto acalentado desde a Inconfidência e sua construção fora determinada em três Constituições  (1891,1934 e 1946). Era um sonho, o sonho de levar o progresso às profundezas ainda inexploradas do país, e ao mesmo tempo o desafio aparentemente insuperável de se erguer – e futuramente manter – uma cidade na aridez e solidão do Planalto Central.
NOME:
E-MAIL:
Cadastre seu e-mail para receber novidades.